– Se tens conhecimentos e formação na área da saúde podes sempre ajudar a clarificar conceitos e contribuir para que mais pessoas possam morrer de forma tranquila;

– Dar apoio emocional a alguém que está na fase final da vida ou que passa por um processo de luto é outra forma de ajudares. Importante perceber quando a pessoa quer o apoio emocional e a nossa ajuda causa mais bem estar na pessoa que mal estar. Entender quando usar o silêncio e dar espaço à pessoa é importante;

– Colaborar para que as pessoas possam viver a sua espiritualidade. Ajudar na realização de rituais e/ou meditações antes, durante e após a morte. Ajudar a preparar o funeral junto da pessoa em fim de vida (perceber os desejos desta ainda em vida) e/ou juntos dos cuidadores desta (sempre de acordo com a vontade da pessoa em fase final da vida e/ou pessoas próximas);

– Provocar conversas sobre a morte junto dos nossos amigos, partilhar questões existenciais, partilhar medos e fragilidades são outras formas de colaborares para que as pessoas reflitam sobre si mesmas e juntos se fortaleçam (atenção aos locais onde provocas estas conversas, não devendo ser algo embaraçoso e perceber quando é algo demasiado desconfortável para o outro e saber parar);

– Partilhar histórias de pessoas que morreram de forma tranquila, ajuda a espalhar uma esperança positiva;

– Ajudar alguém a planear o final da sua vida (a realizar sonhos ou projectos, colaborar se necessário na realização do testamento vital, ser mediação para que os desejos da pessoa que está de partida sejam honrados, ajudar a pessoa a encontrar e a dar significado à sua vida);

– Se dás conta de conflitos pessoais e/ou familiares tenta ser mediação para a resolução dos mesmos se for essa a vontade da pessoa em fase final da vida tendo sempre o cuidado e a sensibilidade de não os agravar;

– Criar um ambiente acolhedor à volta da pessoa que está em fase final da vida, assim como para aqueles que lhe são próximos (podes oferecer-te para fazer uma massagens, colocar aromas no local, uma luz ténue, procurar músicas tranquilas ou que sejam especialmente do agrado das pessoas envolvidas);

– Ajudar em questões de domicílio. Partilhar ajudas técnicas que possas ter desde cadeiras de rodas, camas articuladas, etc. Ou partilhar um pedido de ajuda junto dos teus conhecidos para obter essas ajudas técnicas. Ajudar também nas compras, se preciso, é outra forma de ajudar já que a pessoa em fase final da vida pode encontrar-se muito debilitada;

– Partilhar esta página, é outra forma de ajudares;

Estar atento aos outros é uma forma de os ajudar a viver melhor e por consequente a morrer melhor. Morrer de forma tranquila está muito além do trabalho médico. Envolve o trabalho de casa de cada um, já pensaste nisto? Com respeito e sem julgamentos podemos facilitar uma partida mais tranquila, diminuir a possibilidade de lutos patológicos e uma maior aceitação da morte como parte da vida e consequente maior alegria na vida (na tua e na daqueles pelos quais estás atento).