Os opióides, sendo exemplo a morfina, podem ser medicamentos muito úteis e eficazes no controlo dos sintomas como a dor e/ou a falta de ar.

Quando devidamente utilizados, estes medicamentos, não apressam a morte nem transformam as pessoas que os usam em ‘drogadas’. Actualmente existe uma ideia errada acerca da morfina que acredita que esta é apenas usada nas pessoas ditas moribundas.

Quando devidamente utilizados, este medicamentos, não encurtam a vida e permitem que muitas pessoas doentes possam manter a sua rotina diária.

A morfina não é um medicamento exclusivo em cuidados paliativos. Doente oncológicos, por vezes, beneficiam do seu uso, assim como é utilizada no pós-operatório de várias cirurgias e no caso de pessoas doentes com sintomas causadores de grande mal-estar.

Os opióides são assim uma ajuda preciosa no controlo dos sintomas.

Apesar disto é igualmente importante que a pessoa doente e família se sintam à vontade para colocar as questões que lhes pareçam pertinentes à equipa clínica que os acompanha. Ao acompanhar uma pessoa doente é importante que não se guardem dúvidas, quaisquer que elas sejam, nem as deixem por esclarecer.