(psicóloga em cuidados paliativos)

“Quando as palavras já nada podem, quando o silêncio se impõe, só uma presença tranquila, gestos inspirados apenas na compaixão, podem ainda dar a força para morrer. Aqueles que amam sabem inventar estes pequenos ritos de separação que dão um sentido aos últimos instantes e permitem morrer.”