(psicóloga em cuidados paliativos)

“Porque é que as pessoas que querem morrer têm tanta dificuldade em deixar-se morrer? A vontade de morrer parece ser em si um obstáculo à morte. Dir-se-ia que a morte não pode ‘vir procurar-nos’ se nos atravessamos no seu caminho, armados com o nosso crer, escudados com o nosso domínio. Ela quer-nos desejosos, é certo, mas nus e desarmados, prontos para a ela nos abandonarmos. Só então ela pode vir. Como se, para conseguir morrer, fosse necessário, renunciar a todo o domínio, a todo o querer. Como se, para morrer, fosse necessário abandonar-se. Aqueles que querem morrer nesse momento, imediatamente, são como amantes apressados que não sabem fluir lentamente no amor. Ao pedir que os ajudem a morrer, talvez peçam simplesmente que os ajudem a soltar-se, a descontrair-se, a abandonar-se.”